Porque precisamos entender como funciona a produção de nossas roupas

A cadeia produtiva têxtil e de vestuário geralmente é bem vasta e complexa. Se desconhecemos o que está acontecendo, como corrigir o problema? Por isso, o primeiro passo para a mudança é a transparência.

Estamos tão desconectados da fabricação de nossas roupas e das coisas que compramos que é muito comum esquecermos que, por trás da produção de uma simples peça, há uma longa cadeia que envolve inúmeras pessoas e recursos. Do cultivo do algodão até transformá-lo em fio e depois em tecido, do tingimento à costura, do transporte e distribuição às lojas.

A cadeia produtiva têxtil e de vestuário geralmente é bem vasta e complexa. Para termos uma ideia dessa complexidade, o infográfico abaixo – desenvolvido pela equipe Scraps: Fashion Textiles and Creative Reuse – nos ajuda a visualizar todas as etapas.

Quanto mais extensa for essa cadeia mais difícil para a empresa conseguir manter o controle sobre ela. A grande maioria das marcas hoje terceirizam sua produção e, muitas delas, não sabem onde, por quem e em que condições são feitos seus produtos.

Se desconhecemos o que está acontecendo, como corrigir o problema? Por isso, o primeiro passo para a mudança é a transparência.

E é acreditando nisso que a Ong inglesa Fashion Revolution juntamente com a Ethical Consumer publicaram um relatório chamado Fashion Transparency Index (índice de transparência na moda, em tradução livre) que classifica as empresas de acordo com o nível de transparência em sua cadeia de suprimentos.

A primeira edição do Fashion Transparency Index inclui 40 das maiores marcas globais de moda, que foram selecionadas com base no volume de negócios anual. O objetivo foi descobrir o que essas empresas estão fazendo para melhorar os padrões sociais e ambientais e o quanto dessas informações são compartilhadas com o público. Veja as marcas aqui.

“Being transparent creates the opportunity for collaborative action between companies, governments, NGOs, unions and the public to work towards building a fairer, cleaner and safer fashion industry”, Fashion Transparency Index.

Outra iniciativa que ajuda a identificar práticas das empresas é a Know the Chain, que avaliou os esforços de 20 empresas do setor de vestuário e calçados para proteger e erradicar o trabalho análogo ao escravo em suas cadeias produtivas globais. Veja as marcas aqui.

A marca de roupas esportivas Patagonia é referência no setor, pois informa aos seus clientes todo o ciclo de produção de uma peça e quais os custos ambientais e sociais para que ela seja feita. Todas as informações estão disponíveis no site da marca. Veja o mini documentário “Fair Trade: the first step” (comércio justo, o primeiro passo) realizado pela marca.

Já a empresa americana Planet Money criou uma série de vídeos no qual explica, em cada capítulo, uma etapa do processo de fabricação de sua camiseta. O objetivo é contar a história das roupas e das pessoas por trás delas.

No Brasil, vemos iniciativas como a Moda Livre, já citada no Blog SDF, o aplicativo avalia as principais varejistas de roupa do Brasil e empresas que já foram flagradas pelos fiscais do Ministério do Trabalho (MTE) em casos de trabalho escravo.

Além de marcas como Flavia Aranha e Catarina Mina, que expõem ao consumidor todas as informações a respeito das etapas de suas produções e as pessoas envolvidas. Muitas marcas estão adotando ferramentas que ajudam a rastrear todo o processo de produção e buscam certificações, como a Certificação de Fornecedores – ABVTEX e o Sistema B, por exemplo.

Já como consumidores, a partir do momento que temos informações a respeito e entendemos como são fabricadas as peças de roupas, calçados ou qualquer coisa que compramos, temos mais consciência de todo esforço e recursos necessários. Como consequência, faremos melhores escolhas em cada compra, além de pressionar as empresas e governos por mais transparência e soluções.

Sabemos que qualquer produto para existir gera impactos, sociais e ambientais, por isso, informação e transparência são fundamentais para que as marcas possam identificar e ajustar os problemas encontrados.


Referências

http://www.ecouterre.com/this-graphic-sums-up-how-complex-the-fashion-supply-chain-is/

https://wellmadeclothes.com/articles/WhyWeNeedtoAppreciateSupplyChainComplexityToBecomeMoreConsciousConsumers/

http://fashionrevolution.org/wp-content/uploads/2016/04/FR_FashionTransparencyIndex.pdf

http://fashionrevolution.org/como-a-transparencia-pode-ajudar-a-transformar-a-industria-da-moda/

https://knowthechain.org/benchmarks/show_companies/3/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *