Conheça as 10 tendências que definirão a indústria da moda em 2018

Relatório State of Fashion fornece uma visão geral dos principais temas, oportunidades e desafios que estão direcionando e influenciando o setor nos próximos anos.
Photo by Soragrit Wongsa on Unsplash

Incerteza econômica e política, economia circular e sustentabilidade, personalização e tecnologia são alguns dos temas que irão moldar a indústria da moda neste ano, segundo o relatório The State of Fashion criado pelo Business of Fashion e a consultoria McKinsey

O relatório fornece uma visão geral dos principais temas, oportunidades e desafios que estão direcionando e influenciando o setor a longo prazo, além de fornecer uma perspectiva para 2018, citando as dez tendências que definirão a agenda para a indústria da moda global nos próximos 12 meses.

Veja abaixo um resumo das tendências citadas no relatório.

  1. Previsivelmente Imprevísivel

    Incerteza econômica, turbulência geopolítica e uma constante imprevisibilidade são o novo normal. Para isso, os executivos do setor precisarão aceitar o fato de que a mudança e a instabilidade são características fixas do atual clima dos negócios, precisando ser vigilantes e ágeis para se adaptarem a esse ambiente imprevisível e concentrar os seus esforços nos aspectos que podem controlar.

  2. Reinicialização da Globalização

    Impulsionados pela conectividade digital, fluxo de dados e pelo crescimento exponencial da banda larga transfronteiriça estamos entrando em uma nova fase de globalização.

    A conectividade permite entrar em novos mercados já que proporciona o acesso a clientes em todo mundo, aumentando a intensidade competitiva, mas também, permite novos modelos de colaboração digital entre empresas de moda e seus fornecedores e prestadores de serviços proporcionando mais transparência, eficiência e confiança entre todos os envolvidos.

  3. Pioneiros Asiáticos

    A Ásia já conta com dois terços dos maiores players do comércio eletrônico do mundo, mais da metade das vendas globais de varejo online e inúmeras inovações digitais e tecnológicas. Neste ano, irá firmar ainda mais seu poder e liderança através de inovações pioneiras, investimento em escala global e expansão.

    A Ásia-Pacífico já está estabelecida como uma das regiões mais importantes para o negócio de moda global e, de acordo com o McKinsey Fashion Scope, a região deverá representar cerca de 40% das vendas mundiais de vestuário e calçados até 2018.

    Estima-se que o mercado asiático de vestuário online deverá atingir US$ 1,4 trilhão de dólares até 2020.

  4. Personalização e curadoria

    A personalização e a curadoria serão cada vez mais importantes para o cliente. Os consumidores sabem o que querem e apreciam as marcas que estejam alinhadas com seus valores e produtos adaptados às suas necessidades individuais. Também, confiam mais nos influenciadores que acompanham do que nas propagandas convencionais.

    Segundo o relatório, conforme os valores dos consumidores centram-se em torno da autenticidade e individualidade, as marcas utilizarão ainda mais o big data para fornecer uma curadoria e experiência personalizada e adaptar as recomendações aos seus consumidores e, também para se aproximar e engajar influenciadores. 

  5. Plataformas em primeiro lugar

    Atraídos por sua conveniência, relevância e variedade de oferta os consumidores utilizarão cada vez mais as plataformas online como o primeiro ponto de pesquisa para suas compras.

    As principais plataformas de ecommerce hoje, como Amazon e Alibaba, graças à inteligência artificial e sua grande base de dados, sabem o que os seus clientes compraram no passado, estão comprando agora e provavelmente o que comprarão no futuro. Com isso, conseguem fornecer produtos sob medida, recomendações personalizadas e cadeias de suprimentos inteligentes.

    Para as marcas de moda a questão não é mais “se”, mas “como” colaborar com grandes plataformas online e estabelecer uma relação de ganha a ganha para ambas as partes. À medida que as plataformas online crescem em tamanho e poder de mercado, o risco de não estar presente pode tornar-se maior do que a desvantagem de não ter controle total do canal online.

  6. Obsessão Móvil

    A obsessão dos consumidores com o celular só cresce. O tráfego de dados móveis superou o do desktop já há algum tempo, os celulares são usados para pesquisas, que vão desde buscas inspiracionais à comparação de preços. Estima-se que são gastos uma média de seis horas por semana em pesquisas relacionados à moda através desses dispositivos e os principais canais para essa busca são as redes sociais.

    Agora, os consumidores também estão descobrindo a conveniência de usar seus telefones para efetuarem transações financeiras conforme as soluções de pagamentos móveis crescem globalmente. Encontrar e oferecer soluções integradas de pesquisa e compra adaptados para os dispositivos móveis será uma grande oportunidade para as empresas de moda explorarem em 2018.

  7. Inteligência Artificial

    Segundo o relatório, 2018 será o ano em que grandes inovações ganharão destaque e  revelarão as possibilidades oferecidas pela Inteligência Artificial (AI) para a indústria da moda.

    Para 20% dos executivos da moda que participaram da pesquisa global da McKinsey acreditam que o uso de AI para reinventar o design, merchandising e marketing será uma tendência importante para o setor nos próximos anos. 

    A Inteligência Artificial pode oferecer resultados significativos e melhorias de velocidade, custo e flexibilidade em toda a cadeia de suprimentos da moda. Além de também gerar mais interação e engajamento com os seus consumidores.
  8. Credibilidade Sustentável

    Segundo o relatório, a sustentabilidade estará no centro da inovação do setor em 2018. À medida que os principios da Economia Circular vem ganhando força e adeptos, a sustentabilidade evoluirá nos próximos anos deixando de ser adotada apenas em iniciativas fragmentadas e pontuais para se tornar parte integral e definitiva dos negócios e de toda cadeia da moda. 

    Uma força importante por trás do crescimento do movimento de sustentabilidade é a percepção de que a sustentabilidade pode servir como uma verdadeira fonte de diferenciação, como já foi observado com a marca Patagônia.  A sustentabilidade também será acelerada pelos avanços  tecnológicos em materiais, produtos e processos. 

    Iniciativas importantes vem surgindo como é o caso da Circular Fibres Initiative (Iniciativa de Fibras Circulares) da Fundação Ellen MacArthur que reune as partes interessadas do setor para acelerar a mudança de uma economia linear para uma economia circular adotando principios econômicos de restauração e regeneração.

    Para o Bof e McKinsey, 2018 irá concretizar o “próximo nível” de sustentabilidade e oferecer uma vantagem competitiva para as empresas que adotarem completamente esse tema em seus negócios e em toda cadeia da moda, integrando sustentabilidade, inovação e valor.

  9. depreciação das lojas de Descontos e Outlets

    Embora o crescimento do setor de outlets e lojas de desconto continua sendo impulsionado pela noção de que fornece uma solução para os excessos de estoque e crescimento lento dos negócios, o mercado dos EUA já apresenta sinais de  saturação e possível canibalização de vendas. Por outro lado, na Europa e Ásia esse segmento espera crescer em 2018. 

    Segundo o relatório, os executivos de moda devem considerar cuidadosamente a sua estratégia para estar nesse canal e determinar como alcançar seus benefícios, levando em consideração o trade-off entre as possíveis vendas a curto prazo, crescimento e imagem da marca. 

  10. Pensamento Start-Up

    Devido a uma necessidade de urgência e intensa inovação do mercado as empresas de moda terão como objetivo “imitar” algumas qualidades comuns presentes nas start-ups, tais como agilidade, colaboração e receptividade e integrar na cultura de seus negócios.

    Para as empresas mais tradicionais do setor haverá uma necessidade de abrir suas mentes para adotar a nova realidade, para os novos talentos, novas formas de trabalhar, novos modelos de parcerias e investimento.

Confira o relatório completo The State of Fashion 2018, BoF and McKinsey & Company‘s,  disponível aqui [em inglês].

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *